Crianças que leem livros obtêm pontuação mais alta em testes escolares

De acordo com um novo estudo liderado pela Universidade de Málaga e pela UCL, e publicado na revista Oxford Review of Education, o que as crianças escolhem para lerem fora da escola influenciam diretamente em seu desempenho acadêmico.

Usando dados do censo longitudinal para analisar mais de 43.000 estudantes, com idades entre 10 e 11 anos e depois novamente entre 13 e 14 anos, a pesquisa fornece evidências substanciais de que os alunos que gostam de ler livros de alta qualidade obtêm pontuações mais altas diariamente nos testes.

As notas médias dos alunos que leem livros subiram 0,22 pontos no total, o que equivale a 3 meses de crescimento acadêmico adicional no ensino médio. O estudo não demonstrou vantagem semelhante para as crianças quem liam jornais diários, quadrinhos ou revistas.

livros

Os resultados têm implicações importantes para pais, professores e formuladores de políticas, a equipe internacional de pesquisa recomenda que os jovens dediquem seu tempo de leitura apenas aos livros.

O que dizem os pesquisadores

“Embora o progresso de três meses possa parecer comparativamente pequeno para algumas pessoas, isso equivale a mais de 10% dos três anos acadêmicos do ensino médio medidos – desde quando esses jovens têm entre 11 e 14 anos, o que sabemos ser um período de enorme desenvolvimento”, explica o coautor Professor John Jerrim, da UCL.

“Em um mundo cada vez mais digital, é importante que os jovens sejam incentivados a encontrar tempo para ler um bom livro.

“É improvável que outras formas de leitura menos complexas e menos atraentes tragam os mesmos benefícios para o desenvolvimento cognitivo e não devem ser contadas como parte do tempo de leitura.

“Isso é particularmente importante para quem tem pouco desempenho, onde qualquer associação provavelmente será mais forte”.

O pesquisador principal Luis Alejandro Lopez-Agudo, da Universidade de Málaga, acrescentou: “A leitura é uma habilidade fundamental que desempenha um papel fundamental em todas as etapas de nossas vidas mudando o clima e a cultura organizacional do ambiente em que estamos inseridos.

“Nossos resultados fornecem evidências adicionais de que não é apenas o fato de os jovens lerem ou não o que importa – mas também o que eles leem”.

Incentivo dos pais

A quantidade de tempo que as crianças passam lendo já é entendida para ajudar a desenvolver suas habilidades de alfabetização. Essa habilidade aumenta com a prática e com a tentativa de textos mais longos e mais desafiadores.

Porém, poucos estudos se concentraram em saber se o tipo de material escolhido pelas crianças influencia suas realizações na escola.

Este estudo, analisando alunos da Espanha, tentou estabelecer se existe um vínculo entre as notas de alfabetização e matemática e o tipo de material que as crianças olham em seu tempo livre, bem como quanto tempo elas passam fazendo isso. Quadrinhos, contos, livros, jornais e revistas foram os textos incluídos na pesquisa.

Os pesquisadores usaram dados de um censo realizado pela Agência Andaluza de Avaliação Educacional. Isso incluiu respostas ao questionário preenchidas entre 2008 e 2009 por crianças de 10 a 11 anos e entre 13 e 14 anos entre 2011 e 2012.

As atitudes das crianças em relação à escola foram consideradas com os níveis de desempenho anteriores. Os pais também foram questionados sobre seus próprios hábitos de leitura e como estavam envolvidos na educação de seus filhos.

Os resultados mostraram que quanto mais as crianças leem livros, melhor são as performances nos testes escolares na adolescência. O mesmo efeito não foi observado em quadrinhos, jornais e revistas. Especificamente, os pesquisadores descobriram:

Crianças de 13 a 14 anos que leem livros todos ou quase todos os dias obtiveram 0,22 desvios-padrão mais altos (o equivalente a três meses) no teste de alfabetização do que aqueles que lêem livros quase nunca.

Há evidências de transbordamentos positivos em outros assuntos, com uma diferença de cerca de 0,20 desvios padrão em matemática.

Houve alguns benefícios em contos para crianças que os apreciavam pelo menos uma vez por mês. Os pesquisadores concluíram, porém, que é improvável que aumentar a frequência disso para semanal ou diariamente traga mais benefícios.

O estudo também destacou os padrões de leitura em diferentes grupos de crianças. Mostrou:

As meninas parecem ler contos, livros e jornais com mais frequência do que os meninos, enquanto o oposto se aplica aos quadrinhos e revistas.

crianças que lêem

Jovens de origens privilegiadas leem todos os tipos de texto com mais frequência do que os de lares desfavorecidos.

Alunos de alto desempenho (de acordo com as notas dos testes da 5ª série) eram mais propensos a ler contos / pequenos romances e livros em comparação com estudantes de baixo desempenho, embora com pouca diferença em termos de ler histórias em quadrinhos, jornais e revistas.

Os resultados deste estudo devem ser interpretados no contexto de algumas limitações e da necessidade de mais pesquisas. Isso inclui a pesquisa realizada em uma região específica da Espanha e o foco no progresso acadêmico realizado durante o início da adolescência.

Nesse ponto, as habilidades de leitura já estão bem desenvolvidas – não há dados para crianças mais novas.

SEJA BEM VINDA AO MELHOR MOMENTO DA SUA VIDA! ASSINE NOSSA NEWSLETTER!

Hellen Xavier Manso

Sou a Hellen, esposa, mãe do Estêvão de 5 anos, dona-de-casa, arquiteta de formação e blogueira por paixão. O blog "integralmente Mãe" nasceu assim que fui demitida (após ser mãe) e neste momento me descobri empreendedora digital e o blog "Integralmente Mãe" nasceu! Desde então, eu busco influenciar as mamães a optarem por melhores escolhas no exercício da maternidade. E ainda a empreenderem em casa ou em qualquer lugar! Por que é somente com esta liberdade que conseguiremos curtir de verdade nossa família e filhos!

Website: https://www.integralmentemae.com

    Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.